A igreja paroquial de Santa Eufémia, para além de ponto central da vida comunitária, é o mais imponente edifício a nível de património edificado. Logo à entrada, sobressai o alpendre da porta principal, com belas colunas. Esta igreja, classificada imóvel de interesse público a 30 de Novembro de 1993, foi construída no século XVII, tendo uma fachada a terminar em empena e rasgada por portal de verga recta, com remate em friso e cornija. A torre sineira é monumento nacional granítico do século XVIII, sendo formada por uma nave de acesso e pela torre com os respectivos sinos. Também famoso é o pormenor por cima da porta lateral do templo, com três cabeças insculpidas, uma das quais com asas e amparando o cérebro com as mãos. Este conjunto é vulgarmente conhecido por “a lavandeira”. No interior da igreja, destacam-se o coro-alto, o púlpito e as pinturas seculares e algumas imagens consagradas.

O conjunto que forma a igreja paroquial situa-se num amplo largo onde a população se reúne nos tempos de lazer, principalmente aos domingos e feriados. Na parte ocidental do largo encontra-se a Casa dos Milagres e, a norte e a sul, um coreto.

Lavandeira tem uma festa ao Divino Rei Salvador, actualmente padroeiro da Freguesia, dia 6 de Agosto, esta é considerada a Festa do Povo. Contudo, a festa mais concorrida é a do dia 15 e 16 de Setembro, a de Santa Eufémia ou a "Festa da Marrã", procurada por diversos devotos que vêm em Romaria de terras bem distantes, quer da margem esquerda do Douro, como é o caso de S. João da Pesqueira, quer da margem direita, como da Lousa distante, mas que faziam o percurso a pé. Na aldeia de Carlão, nesse dia, também é feriado, e por isso, vão de lá até Lavandeira à Festa de Santa Eufémia. Nesta festa é tradição assarem carne de porco, à qual chamam “Marrã”, já conhecida por toda a região. Há poucas décadas atrás chegavam-se a matar mais de uma centena de porcos na Freguesia, sendo toda essa carne consumida nesses dois dias de Festa.

Existe nesta localidade uma "Irmandade de Santa Eufémia" que está dividida em dois ramos: o Ramo de “Além-do-Rio” (Tua) que abrange aldeias dos concelhos de Alijó, Murça, Valpaços e Mirandela. E o Ramo da "Vilariça" que abrange os concelhos de Carrazeda de Ansiães, Torre de Moncorvo, Alfândega da Fé e Vila Flor.
Em cada aldeia destes concelhos, existe um Zelador de Santa Eufémia que se encarrega da cobrança. Cada pessoa ou “irmão” paga, actualmente, 1€ por ano à Irmandade e muitos deles vão de propósito à Lavandeira paga-la.

Na Irmandade de Santa Eufémia faz-se a cobrança durante o mês de Agosto por equipas da irmandade. Quando falece algum elemento pertencente à Irmandade, este tem direito a uma missa, normalmente rezada pelo padre da paróquia. Depois é enviada uma certidão à família com o carimbo próprio da Irmandade. Julga-se que exista já desde o século XV esta tradição religiosa em honra de Santa Eufémia através desta Irmandade.

A Casa dos Carvalhos, por seu turno, é o expoente máximo a nível de arquitectura civil. Este solar pertenceu a uma das mais importantes famílias da região.